Smart Grid: conheça a rede elétrica inteligente

O modelo de energia hoje é o mesmo há mais de 100 anos, e funciona em um tipo de rede que possui diversas limitações técnicas. 

Boa parte dos medidores ainda é analógico. As pessoas recebem em casa estimativas de conta e a aferição real é feita por um ser humano e a conta é reajustada retroativamente. 

Essa interação limitada de apenas uma via (fornecedor-consumidor), dificulta a resposta às mudanças e aumento contínuo das demandas do século XXI. 

Esse modelo foi pensado quando as necessidades de energia eram pequenas e mais simples. Não é difícil perceber algo precisa mudar. 

Hoje, com o movimento da Internet das Coisas, quando cada vez mais coisas estão conectadas na rede, a demanda de energia aumentou muito, e vai continuar crescendo. 

Somando nessa equação o movimento de energia limpa, as preocupações com sustentabilidade, temos o ponto de partida para o movimento de Smart Grid ganhar força. 

E O QUE É SMART GRID? 

 A proposta é a criação de uma rede de energia inteligente. As novas redes serão automatizadas com medidores de qualidade e consumo de energia, funcionando em tempo real. 

 A Smart Grid introduz um diálogo de duas vias, onde eletricidade e informação podem ser trocadas entre o fornecedor e os consumidores. 

A digitalização dos processos, equipamentos, protocolos e toda a infraestrutura elétrica é um movimento forte, uma revolução energética, que tornará a rede mais eficiente, segura e sustentável. 

É importante destacar que não envolve só o meio de distribuição, mas toda a cadeia desde de produção até a estocagem. 

Por isso, a utilização de energia solar e eólica, entram como um fator chave dessa equação.  Fortalece uma rede distribuída, e não centralizada como vemos hoje. 

QUAIS SÃO OS DESAFIOS? 

A principal questão, para tornar a Smart Grid parte da nossa realidade, é a produção de energia de forma sustentável e ao nível de consumidor. 

Você sabia que uma hora de energia captada do sol seria capaz de abastecer a humanidade por um ano? 

Quando introduzimos a energia solar como alternativa, o grande desafio é justamente como iremos estocar essa grande quantidade de energia produzida. 

Os principais desafios, portanto, são a produção e a estocagem de energia. Solucionando esses desafios, estamos um passo à frente para uma rede elétrica mais inteligente e eficiente.  

 E COMO PODEMOS RESOLVÊ-LOS? 

O que muitos ainda não sabem, é que já existem soluções no mercado, para ambos os problemas. 

Como solução para produção de energia, empresas como a Solar City nos EUA e a Solar Grid aqui no Brasil, fornecem painéis solares para as residências, como uma forma alternativa de energia, para consumo próprio. 

A Solar Grid possui um sistema que, caso você não consiga consumir toda a energia solar produzida, o excedente é injetado na rede e você é remunerado com créditos na sua próxima conta. 

Ou seja, o objetivo não é substituir os meios de distribuição de energia existentes, mas apenas oferecer um complemento para suprir as demandas cada vez maiores. 

Como exemplo, temos os carros elétricos, que demandam uma grande quantidade de energia. Não é por acaso, que a próxima solução que vamos ver é da Tesla, empresa produtora de carros elétricos. 

Para solucionar o desafio da estocagem, a Tesla lançou um produto chamado Powerwall. É uma bateria, com grande capacidade de armazenamento, que você pode instalar na sua casa.  

O Powerwall é carregado com a eletricidade gerada por painéis solares ou a partir da rede elétrica. Ele também protege sua casa contra quedas na rede, proporcionando um backup de energia elétrica.  

Recentemente, a Tesla, em parceria com a Solar City, desenvolveu um telhado solar. Um produto inovador, com design bonito, e os painéis solares são imperceptíveis. 

As empresas buscam levar ao consumidor final, como uma boa solução, algo “chato” como estocagem e produção de energia elétrica. 

UM PONTO DE ATENÇÃO: SEGURANÇA  

Um dos pontos centrais, quando o falamos de Smart Grid, é a segurança. Como garantir a segurança das redes com todos os sistemas digitalizados? 

Quando digitalizamos a estrutura, tornamos tudo eletrônico, estamos expostos aos mesmos riscos digitais que qualquer dispositivo, como o computador. E até mais, por que se torna alvo de mais ataques direcionados. Por exemplo, ataques terroristas e ataques patrocinados por outros governos.  

A Smart Grid é um alvo automático desses dois atacantes. Os ataques mais sofisticados que temos notícia são aqueles que, supostamente, foram patrocinados por outros governos. 

Um exemplo disso foi o ataque do malware Stuxnet nas usinas nucleares do Irã. Os principais alvos do vírus são sistemas de controle de automação e monitoramento industrial, conhecidos pela sigla SCADA. 

Os riscos são enormes, inclusive com ataques pouco sofisticados. Apenas a sobrecarrega em determinado nó de uma rede, pode causar uma explosão catastrófica se envolver energia nuclear, por exemplo. 

PRIVACIDADE POSTA À PROVA 

Uma das tecnologias da Smart Grid é a chamada Smart Meter, que consiste em medidores inteligentes que mostram a quantidade de gás e eletricidade que você está usando, bem como quanto está sendo gasto, e exibe isso em um display, em tempo real. 

Eles também enviam leituras automáticas do medidor para o seu fornecedor de energia, pelo menos uma vez por mês, para que você receber cotações precisas, e não estimadas. 

Os avanços na tecnologia de Smart Grid podem aumentar significativamente a quantidade de informações potencialmente disponíveis sobre consumo de energia pessoal.  

Essas informações podem revelar detalhes pessoais sobre as vidas dos consumidores, como suas rotinas diárias (inclusive quando eles estão em casa, fora de casa, ou dormindo), se suas casas são equipadas com sistemas de alarme, ou os equipamentos eletrônicos caros, e se usam algum tipo de equipamento médico.  

Os consumidores esperam, e com razão, que a privacidade dessas informações serão mantidas. A informação comercial das empresas também pode ser revelada através da liberação de dados de consumo de energia, resultando em prejuízos contra a concorrência. 

CONCLUSÃO 

As facilidades de estocagem e produção de energia, estão acelerando essa revolução energética que a gente chama de Smart Grid. 

Essa evolução ao nível de consumidor, trazendo mais poder a eles, é um grande acelerador da questão de revisão do sistema elétrico. 

Como vimos no texto, isso não está tão distante da nossa realidade. E irá forçar uma reestruturação da distribuição centralizada que temos hoje. 

Contudo, as questões de segurança e privacidade ainda são pontos sensíveis desse movimento, que precisamos monitorar de perto.

Quer saber mais? Confira nosso post sobre o paradigma de segurança dos CIOs.

Melhore a gestão da performance do negócio com business analytics

Gerenciar os dados provenientes das diversas áreas de negócios e correlacioná-los de forma a que se tornem relevantes é uma tarefa que pode se tornar complicada e, principalmente, consumir muito tempo.

Estudo realizado pela Ventana Research indica que 68% das pessoas envolvidas na análise de dados passam mais tempo coletando, organizando e preparando esses dados, junto com outras tarefas não relacionadas à análise propriamente dita.

Apenas 28% indicaram que a maior parte do tempo era usada na análise dos dados.

Por isso é importante contar com ferramentas de business analytics que permitam transformar esses dados em diferenciais competitivos.

Tudo é uma questão de agilidade para analisar os dados.

Com ferramentas e parceiros corretos, as organizações podem automatizar uma série de tarefas que teriam de ser realizadas manualmente, acelerando a tomada de decisões e compartilhando informações relevantes e atuais.

Dashboards

Dashboards amigáveis oferecem uma melhor visualização dos dados, com ferramentas que facilitam a sua análise e geração de relatórios, tornando o processo ainda mais eficiente.

Os insights obtidos a partir de business analytics contribuem para uma melhor gestão da performance do negócio, oferecendo informações para as áreas de planejamento, orçamento, contabilidade e novos negócios.

Também permite criar métricas para monitorar diversas operações, alertando sobre desvios em tempo real, de forma automática, agilizando o tempo de resposta.

Além disso, as empresas podem identificar rapidamente tendências e correlações para responder com rapidez ao novo cenário, garantindo que o orçamento e planejamento estejam alinhados aos objetivos globais.

Splunk

Com as soluções da Splunk, parceira da PROOF, arquitetos de dados podem expandir o escopo de dados que utilizam em suas análises, desenvolvedores podem usar os SDKs e APIs para acessar os dados e disponibilizá-los para seus clientes internos e os analistas de negócios contam com uma interface intuitiva para criar strings de busca, dashboards e realizar análises mais profundas.

Saiba como a análise de dados pode transformar a sua empresa, a tornando mais competitiva e inovadora, lendo o nosso whitepaper “Como Big Data e Business Analytics podem mudar o rumo do seu negócio”.

Qual é a diferença entre business intelligence e business analytics?

Você sabe qual é a diferença entre business intelligence e business analytics? São dois termos utilizados com frequência no mercado e que compartilham o mesmo objetivo – ajudar as empresas a tomar melhores decisões através de dados mensuráveis – mas diferem no método. O business analytics conta com mais recursos de estatísticas preditivas do que […]