[av_image src=’http://www.proof.com.br/wp-content/uploads/2015/10/DDoS2-845×321.jpg’ attachment=’6074′ attachment_size=’entry_with_sidebar’ align=’center’ styling=” hover=” link=” target=” caption=” font_size=” appearance=” overlay_opacity=’0.4′ overlay_color=’#000000′ overlay_text_color=’#ffffff’ animation=’no-animation’][/av_image]

[av_textblock size=” font_color=” color=”]

Saiba quais são os tipos de ataque DDoS mais comuns

[/av_textblock]

[av_hr class=’default’ height=’50’ shadow=’no-shadow’ position=’center’ custom_border=’av-border-thin’ custom_width=’50px’ custom_border_color=” custom_margin_top=’30px’ custom_margin_bottom=’30px’ icon_select=’yes’ custom_icon_color=” icon=’ue808′]

[av_textblock size=” font_color=” color=”]
Os Ataques Distribuídos de Negação de Serviço (em inglês, Distributed Denial of Service – DDoS) é um ataque conduzido por um anônimo, geralmente, com o objetivo de derrubar websites e servidores.

Por meio desse tipo de ação, hackers sobrecarregam o servidor com muitos pedidos, com os quais o servidor é incapaz de lidar e acaba caindo.

O alto fluxo de tráfego é enviado intencionalmente por computadores infectados, fazendo com que o servidor pare de responder.

Essa rede de computadores comprometidos é chamada de Botnets.

Em suma, o ataque faz com que todos os computadores e dispositivos inteligentes na rede fiquem sob controle de hackers. Os usuários dessas máquinas nem sabem que foram hackeados. 

Conheça os métodos e as ferramentas mais populares de ataques DDoS:

Método de negação distribuída

Nesse método, as linhas de comunicação são abertas por centenas de computadores comprometidos.

Um hacker que tem acesso a várias máquinas pode enviar pedidos ao servidor a qualquer momento para derrubá-lo.

Por isso o método é chamado de negação distribuída, pois são vários os computadores envolvidos no ataque, até que o servidor fique impossibilitado de atender a todas as demandas e caia.

Método do “handshake”

Geralmente, um computador abre uma linha TCP com o servidor e este então responde e espera até que a máquina de origem complete o “handshake”.

Handshake são as ações que ocorrem entre um computador e o servidor antes que uma transferência de dados se inicie.

Quando o ataque toma forma, o hacker abre a linha TCP, mas não completa o handshake – mantendo o servidor esperando, enquanto o site se mantém disponível.

Método UDP

Esse é um dos métodos mais rápidos de ataque DDoS, pois usa servidores DNS para iniciar a ação. Normalmente, para resolver problemas com a URL, o computador usa o User Datagram Protocol (UDP).

Os hackers tiram vantagem da fraqueza dos pacotes de UDP para criar um fluxo de mensagens para o servidor.

Os hackers criam pacotes falsos que parecem vir do servidor alvo, que recebe um grande volume de dados e cai.

Como uma solução de segurança pode ajudar

Os downtimes – períodos de indisponibilidade de uma página ou até do site inteiro – são uma das maiores ameaças aos websites e podem acontecer devido a diversas causas.

Se um prospect visita a página de uma empresa e não encontra as informações de que precisa, não terá outra opção além de procurar em outro sites, possivelmente da concorrência.

Algumas empresas, no entanto, são pouco conscientes de que uma situação desse tipo pode ser causada de propósito.

Para evitar esse problema e seus prejuízos, é essencial que sua rede esteja segura.

Uma solução baseada em Gerenciamento e Correlação de Eventos de Segurança (SIEM) pode ser o diferencial na detecção desse tipo de ataque.

Essas ferramentas usam os dados gerados em grande volume por máquinas para auxiliar na manutenção da qualidade dos serviços e da segurança.

Mais atividades do que o normal podem ser uma indicação de ataque DDoS.

Por meio de relatórios e detecção de anomalias, uma solução de segurança, como as oferecidas pela PROOF, podem detectar as atividades de um ataque e mitigar ameaças.
[/av_textblock]

[av_hr class=’default’ height=’50’ shadow=’no-shadow’ position=’center’ custom_border=’av-border-thin’ custom_width=’50px’ custom_border_color=” custom_margin_top=’30px’ custom_margin_bottom=’30px’ icon_select=’yes’ custom_icon_color=” icon=’ue808′]

[av_blog blog_type=’taxonomy’ link=’category,105′ blog_style=’blog-grid’ columns=’3′ contents=’title_read_more’ content_length=’content’ preview_mode=’custom’ image_size=’medium’ items=’3′ offset=’0′ paginate=’no’ conditional=”]