Nenhuma solução de segurança é capaz de bloquear completamente a rede contra as ameaças, nem mesmo um conjunto de softwares ou uma estratégia complexa de cyber segurança. O risk assessment está longe de ser uma ferramenta milagrosa para resolver todos os problemas de segurança da empresa, mas pode ser a base para a criação de um bom plano de segurança da informação.

Por meio do risk assessment, CIOs ainda podem traduzir para outros executivos a importância dos programas de segurança da informação, justificando o budget. O processo faz um mapeamento de todas as ameaças aos ativos da empresa, permitindo detectar e classificar vulnerabilidades.

Como nenhuma rede é impenetrável e o budget de segurança da informação é limitado, principalmente em tempos de crise, o risk assessment desempenha um papel fundamental para que a equipe de cyber segurança desenvolva uma estratégia voltada para os negócios, visando proteger os ativos mais críticos para a continuidade de processos fundamentais.

As ameaças podem ser classificadas levando em consideração as chances reais de que ocorram e o impacto que causariam ao negócio. Assim, os profissionais podem criar planos imediatos de mitigação para ameaças críticas e agir antes que uma violação ocorra.

A PROOF, por sua vez, inovou ao integrar ao SOC – Security Operation Center, uma visão de negócio baseada em verticais de negócio, fábrica de software e expertise em segurança da informação. O resultado dessa nova visão é um conceito de negócios ampliado para além do monitoramento, gerenciamento e ação sobre incidentes de segurança em TI.

O B-SOC se diferencia no mercado pela sua proposta de valor, que é atuar sobre fraudes recorrentes em plataformas de negócio, de forma a mapear padrões de comportamento, mitigar os riscos e automatizar alarmes que identificam tais padrões, de forma ágil e proativa, para que as áreas internas possam tomar as devidas ações legais.