“Big data” é uma espécie de termo “da moda” cuja definição varia constantemente, porém, em vez de tentar defini-lo como um grande volume de dados não estruturados gerados em várias fontes, é mais importante definirmos as maneiras como ele pode ser útil para empresas de todos os tamanhos, inclusive as que têm budget limitado para TI.

Apesar de terem o conceito de big data em mente, nos pequenos negócios os projetos de big data são vistos como custosos e complexos demais. Porém, cada vez mais soluções surgem no mercado para oferecer uma opção flexível e escalável.

Ferramentas que analisam dados gerados por máquina, por exemplo, analisam informações que já existem em abundância em qualquer empresa: arquivos de logs, dados de configuração de servidores, aplicações, configurações de rede, métricas de sistema, entre outras.

Não é necessário começar a se preocupar com big data de uma hora para outra, porém, é preciso ter um plano que se adapte aos processos de negócio para que eles possam ser guiados por dados.

Comece de maneira objetiva

Como as pequenas empresas têm poucos recursos dedicados à TI, o melhor é começar a preparar o negócio apenas coletando, armazenando, analisando e usando os dados de maneira efetiva para melhorar e experiência do cliente e a receita do negócio.

Se o negócio for um e-commerce, por exemplo, pode ser uma boa ideia aproveitar os dados gerados pelo próprio website para melhorar a experiência do usuário e encontrar padrões, como páginas que demoram para carregar, seções mais visitadas, níveis de rejeição, entre outros.

Os dados podem ser usados na personalização de serviços para praticamente qualquer tipo de negócio, mas principalmente para os que operam online. Com eles, as empresas podem tratar os clientes como indivíduos. O mais importante, porém, é se certificar de que os dados sejam precisos.

Com a tecnologia na nuvem, o custo do big data tem reduzido, uma vez que as empresas não precisam arcar com o hardware para analisar informações em pequena escala. Tudo pode ser feito remotamente. Além disso, as aplicações tendem a ficar cada vez mais amigáveis para o usuário e mais acessíveis a empresas de todos os tamanhos.

Com Smart Data Collective